Artigos sobre "Estádio do Morumbi"

São Paulo recebe alvará para início das obras no Morumbi

Compartilhe:

Prefeito Gilberto Kassab entregou documento para o Presidente Juvenal Juvêncio em evento nesta terça-feira. Foto por Rubens Chiri / saopaulofc.net

São Paulo recebe alvará para início das obras de modernização do Morumbi

Republicado de São Paulo FC – Site oficial

A manhã desta terça-feira, 02 de outubro, foi histórica para o São Paulo. No dia em que o Estádio do Morumbi completa 52 anos da primeira inauguração, o Prefeito Gilberto Kassab esteve na casa são-paulina para entregar o alvará que libera o início das obras de modernização do estádio.

O evento aconteceu no Salão Nobre do Morumbi e contou com a presença do vice-governador Guilherme Afif, com o ex-governador e Patrono do clube, Laudo Natel, além de diversas personalidades são-paulinas, de membros da diretoria do clube e de Conselheiros do São Paulo. O goleiro e capitão Rogério Ceni também prestigiou o evento.

“Nós entendemos que o evento de hoje é de extrema importância, para mostrar a grandeza dessa instituição. Aqui está Laudo Natel, que lá atrás, com seus companheiros, fez essa casa sacrossanta. Fruto de ideia, de esforços, do querer fazer”, disse o Presidente Juvenal Juvêncio.

“Esse estádio é moderno hoje continua se modernizando. A modernidade ensina que precisávamos cobrir o estádio, o que não seria fácil. Fizemos sondagem do terreno, estudando o problema acústico, e o Morumbi será um palco para grandes eventos internacionais. São Paulo perdia entre 18 e 19 eventos por ano por falta de espaço, e agora o São Paulo Futebol Clube propiciar isso para a cidade”, completou.

O prefeito Gilberto Kassab destacou a importância do Estádio do Morumbi para a cidade de São Paulo e exaltou a força da diretoria Tricolor em fazer com que as obras fossem adiante.

“O Morumbi tem sido palco de memoráveis jogos e shows, e passará depois da obra a ser palco de outros memoráveis jogos e shows. Através da parceria com a Andrade Gutierrez, em um pouco tempo essa obra estará pronta. Queria homenagear o Juvenal, pois sempre lutou para isso acontecer”, declarou.

O vice-governador do Estado de São Paulo, Guilherme Afif, também exaltou o empenho da diretoria Tricolor em conseguir as autorizações necessárias para que o Morumbi seja um palco multiuso muito moderno.

“Quem não tem o carinho pelo Morumbi? Foi assim que todos nós nos empenhamos de corpo e alma a poder ajudar o Juvenal e sua diretoria, e agora podemos trazer essa importante melhoria. Hoje o estádio tem de ser uma arena multiuso, e nos sentimos muito orgulhosos por participar deste momento”, falou.

Presidente na época da inauguração do Morumbi, Laudo Natel se emocionou no evento de hoje. “O Morumbi foi inaugurado totalmente pago, graças a ajuda de amigos, um estádio que representou o alargamento econômico de São Paulo. Hoje, o Juvenal fez um outro Morumbi, totalmente moderno. Além disso, tem esse centro magnífico da Barra Funda e o complexo maravilhoso de Cotia. Isso faz a grandeza e a base da sustentação do clube”, comemorou.

O São Paulo ainda discute com a construtora a data de início das obras, que deve começar entre o final deste ano e os primeiros meses de 2013. A partir do início da construção, a previsão é de que o estádio esteja pronto em 18 meses.

Homenagem a Peixinho

O clube não poderia deixar de lembrar do aniversário da casa são-paulina. Em 02 de outubro de 1960 foi realizado o primeiro jogo no Morumbi, ainda não totalmente terminado, entre São Paulo e Sporting. Autor do primeiro gol no estádio, Peixinho foi homenageado pelo Tricolor. O ex-jogador esteve presente no evento, e recebeu uma miniatura do estádio, além de um quadro com a foto do gol inaugural do estádio.


São Paulo consegue alvará para iniciar obra de cobertura do Morumbi

Compartilhe:

Projeto de cobertura do Morumbi

São Paulo consegue alvará para iniciar obra de cobertura do Morumbi

Republicado de Globoesporte.com

O São Paulo já tem o alvará definitivo para iniciar a construção da cobertura do estádio do Morumbi. A autorização foi publicada pelo Diário Oficial na última quarta-feira. Com isso, o clube já poderá montar um canteiro de obras perto do portão 1. O prazo de execução da obra é estimado em 18 meses e o custo total é de R$ 120 milhões. Tudo será coordenado pela construtora Andrade Gutierrez. O São Paulo concederá entrevista coletiva no dia 2 de outubro para falar sobre o assunto.

Mesmo sem a autorização definitiva, o clube já adiantava alguns procedimentos do processo. Além de fazer sondagens no solo, o Tricolor começou a fazer simulações no túnel de vento do Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Em nenhum momento, as obras farão com que o local seja interditado.

Além da cobertura, que terá 39 metros de altura, será construída atrás de um dos gols uma arena multiuso para shows e eventos esportivos. Com capacidade para 25 mil lugares, o local tem a facilidade de ser montado e desmontado em poucos dias. A empresa XYZ será a operadora.

O São Paulo esperava o alvará desde o fim do ano passado. O clube teve de fazer algumas alterações no projeto original para que o documento fosse fornecido.


Projeto de cobertura do Morumbi passa por testes

Compartilhe:

Maquete do projeto de cobertura do Morumbi. Foto IPT

IPT inicia ensaios no estádio do São Paulo F.C. para aumentar confiabilidade em projeto da nova cobertura

Republicado de Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo


Estádio do Morumbi – Globo Esporte Link direto para o vídeo

O Centro de Metrologia de Fluidos (CMF), que abriga o túnel de vento do Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (IPT), está realizando uma série de ensaios sobre esforços de vento em uma maquete do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, o Morumbi. Os testes irão fornecer os coeficientes de forma e de pressão que darão confiabilidade aos projetistas na concepção da nova cobertura de 30 mil metros quadrados de área total.

A estrutura metálica da cobertura empregará cerca de quatro mil toneladas de aço tratado, com oito grandes pilares. O material a ser usado na própria cobertura em sistema de treliça espacial está em estudos: telha de aço e membrana tensionada são algumas das opções, e a escolha irá considerar também o desempenho da proteção acústica, a fim de minimizar o impacto sonoro dos eventos do estádio. As sondagens para medir profundidade e detectar os materiais que podem ser encontrados no solo, procedimento necessário para escolha e cálculo das fundações de apoio à estrutura, já estão quase concluídas – a instalação dos pilares não será simétrica, para que eles não avancem para as ruas do entorno e respeitem as legislações vigentes.

Pesquisadores montaram para o ensaio 580 blocos retangulares, que representam o entorno do estádio, para reproduzir as diferentes condições de escoamento do vento

Pesquisadores montaram para o ensaio 580 blocos retangulares, que representam o entorno do estádio, para reproduzir as diferentes condições de escoamento do vento

Para a execução dos ensaios em um modelo rígido fabricado em PVC, papel couro e acrílico, os pesquisadores simularam primeiramente as características do vento do bairro do Morumbi, onde o estádio está localizado. Os testes são referenciados em função da norma NBR 6123:1998, da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), que estipula as condições exigíveis na consideração das forças devidas à ação do vento, para efeitos do cálculo de edificações – os ensaios anteriores das maquetes do Castelão e da Arena Pantanal também foram feitos em modelos rígidos para determinação do carregamento estático de vento na cobertura.

A base da simulação da camada limite atmosférica adotada pelos pesquisadores do IPT nos ensaios foi desenvolvida por J. Counihan e combina uma barreira castelada (que provoca um déficit de momento linear na parte inferior do escoamento logo à entrada do túnel), quatro geradores de vórtice e rugosidade distribuídos ao longo de 24 metros de piso do túnel de vento – para os ensaios do Morumbi, foram necessários 580 blocos retangulares de 8 x 8 cm, instalados na configuração diamante, para representar o entorno do estádio. A rugosidade de um terreno pode ser definida como a medida da aspereza de uma superfície e fator de redução da velocidade do vento: ela é classificada em cinco categorias pela norma da ABNT e o terreno do Morumbi está na categoria V, caracterizada pela presença de obstáculos numerosos, grandes, altos e pouco espaçados, e por uma cota média do topo dos obstáculos igual ou superior a 25 metros.

Após a confirmação dos resultados de simulação do vento natural, a equipe do CMF instalou no túnel de vento o modelo reduzido do Morumbi, na escala 1:200, contendo 300 tomadas de pressão, e deu início às medições de carregamento do vento na nova cobertura. Os pesquisadores do IPT optaram por incluir nos ensaios da maquete do Morumbi as representações do relevo do entorno, de um futuro (e ainda em estudo) prédio em anexo que funcionará como estacionamento e das residências mais próximas, em um raio de 250 metros a partir do centro do estádio, pois eles podem modificar as características do escoamento e diminuir o carregamento do vento.

Equipe do IPT incluiu nos ensaios da maquete do Morumbi as representações do relevo do entorno, de um prédio em anexo e das residências mais próximas

Com a posse do laudo final fornecido pelo CMF, os responsáveis pela obra (o projeto da estrutura metálica é da empresa Projeto Alpha Engenharia de Estruturas, enquanto a Construtora Andrade Gutierrez é a integradora e responsável pela obra) irão cruzar os dados com as informações das rajadas de vento na região para projetarem a cobertura final. Para os pesquisadores do túnel de vento do IPT, um dos principais benefícios com a execução dos ensaios nas maquetes dos estádios e de edificações está no aperfeiçoamento das técnicas de processamento de dados e fornecimento dos resultados em arquivos digitais para análise em softwares livres, como VisIt e Paraview, que refinam a qualidade dos relatórios. “À medida que são feitos os testes, estamos aprimorando os recursos dos programas para que o cliente possa visualizar as informações de distribuição de forças e fazer qualquer seleção para análise”, afirma Gilder Nader, pesquisador do IPT e responsável pelo túnel de vento.


Assentos vermelhos nas arquibancadas do Morumbi

Compartilhe:

Em 90 dias, arquibancada do Morumbi deve estar toda vermelha

Em 90 dias, arquibancada do Morumbi deve estar toda vermelha

Republicado de Lancenet!

Em cerca de 90 dias, o Morumbi deve estar de cara nova. Enquanto aguarda o alvará para iniciar a cobertura do estádio, a diretoria vai fazendo pequenas obras de modernização. A expectativa é de que, em três meses, todo o anel superior esteja com cadeiras vermelhas.

Hoje, existem setores azul, amarelo e laranja, além de um tricolor. Todos os assentos serão trocados pelos de cor vermelha. Os novos terão encosto, diferentemente dos que estão atualmente no local.
Cada cadeira nova custou cerca de R$ 60. A capacidade do anel superior é de mais de 30 mil lugares.
Visando as obras da cobertura, o clube tem feito sondagens no solo do estádio. Algo que ainda não é caracterizado como obra, já que o São Paulo ainda não recebeu o alvará.

A prefeitura emitiu ao clube o comunique-se (documento que pede diversas exigências a serem cumpridas antes da entrega do alvará). Diversas reuniões têm acontecido em órgãos da prefeitura para debater questões técnicas do projeto.

O Tricolor tem o projeto de cobrir o Morumbi e criar uma arena para shows atrás do gol de entrada, com capacidade para 25 mil pessoas e pode receber apresentações menores.


Prefeitura concede alvará para construção da cobertura do Morumbi

Compartilhe:

O Novo Morumbi

São Paulo consegue alvará para reformas no Morumbi

Republicado de Guilherme Palenzuela, em Lancenet!

O São Paulo conseguiu, na noite desta segunda-feira, a obtenção do alvará para realizar as reformas que pretende no Morumbi. A Prefeitura aprovou que a construção da cobertura no estádio e da arena de 25 mil lugares não constam no potencial construtivo do Morumbi.

A vitória burocrática havia sido prometida pelo prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, há duas semanas, ao presidente do clube, Juvenal Juvêncio. Os dois se encontraram no lançamento da linha 17-Ouro do Metrô, que ligará o Aeroporto de Congonhas à região do Morumbi.

As obras da cobertura do estádio e da construção da arena capaz de suportar até 25 mil pessoas serão conduzidas pela Andrade Gutierrez.

O clube teve dificuldade em conseguir a liberação porque a Prefeitura julgava que o potencial de construção do Morumbi estava atingido, seguindo a lei de zoneamento. Convencendo o poder público do contrário, o clube agora apenas aguarda que a liberação seja publicada oficialmente.


Projeto de cobertura e a modernização do Morumbi

Compartilhe:

O Novo Morumbi


Video – Projeto de modernização do Estadio Cicero Pompeu de Toledo, O Morumbi em parceria com a Andrade Gutierres.
Link direto para o vídeo

São Paulo anuncia parceria para projeto de modernização do Morumbi

Republicado de São Paulo – Site Oficial

Foi anunciada na tarde desta terça-feira (20) a parceria entre o São Paulo FC e a empresa Andrade Gutierrez para o projeto de modernização do Estádio do Morumbi, que inclui a construção da cobertura do local. O evento contou com a presença do Governador do Estado, Geraldo Alckmin, do Prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab, do Presidente do São Paulo FC, Juvenal Juvêncio, e do Vereador e Conselheiro são-paulino, Marco Aurélio Cunha.

Além da cobertura do estádio, o Morumbi vai receber uma arena multiuso para shows e eventos, um hotel com centro de convenções, um novo memorial, terá a capacidade do atual estacionamento ampliada e os acessos do público serão reconfigurados. Durante as obras, a capacidade máxima para o público (67 mil pessoas) não será alterada, assim como a estrutura existente para receber os torcedores.

“Queremos fazer a cobertura do estádio, estádio que se moderniza a cada passo. O Morumbi precisa fazer a sua cobertura, a cidade precisa de um hotel nessa região, que é carente disso. Queremos hospedar aqueles que vêm pra cá. Temos nossos parceiros da Andrade Gutierrez, portanto, o insumo básico para essa obra. O projeto da cobertura já está protocolado junto ao poder público municipal, e gostaríamos de contar com a clarividência do governador para realizarmos a obra”, afirmou o presidente são-paulino, Juvenal Juvêncio.

“É uma obra importante para o Esporte a modernização do Estádio Cícero Pompeu de Toledo, a nova arena multiuso, o novo hotel, todo esse complexo esportista e turístico, são obras muito importantes pra cidade, estado e país. A grande dificuldade das megacidades é a mobilidade urbana, e teremos aqui a linha 4 do metrô, a mais moderna do país. Teremos em 24 meses a inauguração da estação de metrô próxima ao estádio. A cidade de São Paulo precisa ter estrutura, parabéns ao São Paulo”, afirmou o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin.

“A nação tricolor merece essa obra. Em São Paulo teremos a Copa do Mundo, que criou circunstâncias para que o Corinthians seja apoiado em múltiplos aspectos para ter o seu estádio. Agora temos que ter o mesmo entusiasmo, energia, e pensar também nos outros clubes, para que eles fiquem no mesmo patamar. Nada mais justo do que criarmos condições para que o São Paulo também seja apoiado para que possa ter o seu estádio reformado, ajustado. Vamos fazer um esforço grande para fazer o correto”, completou o prefeito Gilberto Kassab.

A cobertura

Para conseguir cobrir todos os assentos do Morumbi sem interferir na parte estrutural ou na comunicação visual da fachada do estádio, será instalada uma cobertura leve, com estrutura metálica e a menor quantidade possível de pontos de apoio em torno do estádio. A cobertura será suspensa por cabos e vai proporcionar também conforto acústico para os arredores do estádio.

A cobertura será viabilizada com recursos provenientes da exploração comercial dos espaços da arena de show e do hotel. O prazo de conclusão estimado é de 18 meses a partir do início das obras, que acontecerá assim que a Prefeitura de São Paulo emitir as licenças, alvarás e demais autorizações para a construção.

O projeto arquitetônico da cobertura é de autoria da empresa Projeto Alpha Engenharia de Estruturas, do engenheiro e especialista em estruturas metálicas Flávio D’Alambert, com a consultoria do renomado Ruy Ohtaque.

Arena multiuso e hotel

A arena multiuso visa receber um novo nicho de negócios para o clube: eventos para até 25 mil pessoas, demanda da cidade de São Paulo, que hoje não possui casas de espetáculos existentes para essa capacidade.

A arena ficará localizada em um ponto no qual nem o público nem o palco acesso ao gramado do estádio. Dessa forma, os shows não farão com que o estádio seja interditado para jogos devido à necessidade de montagem e desmontagem do palco.

O hotel terá quartos voltados para dentro e para fora do estádio. Os hóspedes poderão desfrutar de piscina coberta, equipamentos esportivos, centro de convenções para até três mil pessoas e acesso aos estádio e à arena.

Novo memorial e estacionamento

O novo memorial do clube terá o espaço ampliado para poder mostrar ao são-paulino grandes histórias dos 76 anos do São Paulo, um dos clubes mais vitoriosos do futebol brasileiro. Já o estacionamento vai ganhar mais vagas, partes delas destinadas ao estádio e divididas em dois andares. O restante das vagas ficará à disposição do hotel.

Sociedade de Propósito Específico (SPE)

Neste primeiro momento, o São Paulo FC e a Andrade Gutierrez vão assinar um memorando de entendimento que celebra a parceria entre o clube e a empresa. É com base nesse documento que a Andrade Gutierrez passa a ter legitimidade para buscar a aprovação das autoridades competentes e celebrar contratos com os demais parceiros do projeto.

A Andrade Gutierrez atuará como integradora do projeto para, juntamente com o clube, garantir sinergia e fluência nas negociações. A construtora será também responsável pelas obras.

O projeto não contará com aporte de dinheiro público, nem será investido qualquer valor proveniente do São Paulo Futebol Clube, seja do investimento direto do caixa do clube, seja pelo comprometimento de receitas atuais e/ou futuras. Os recursos serão viabilizados integralmente com receitas do próprio projeto, a partir de uma estrutura conhecida como Project Finance.

Após o término das obras, todo o complexo será administrado por uma Sociedade de Propósito Específico (SPE), durante todo o período de operação, após o qual todas as benfeitorias realizadas no estádio se reverterão em favor do patrimônio do São Paulo FC.

A SPE será criada para gerir o negócio e composta pelos parceiros investidores do projeto, responsáveis pelo aporte dos recursos necessários que serão recuperados durante o período de concessão do hotel e da arena multiuso.

Ao São Paulo FC caberá fazer a cessão dos direitos de superfície do estádio do Morumbi à SPE e garantir a livre utilização pelos parceiros durante o prazo da concessão, que ainda será determinado entre as partes.


São Paulo anuncia construção de cobertura do Morumbi

Compartilhe:

Republicado de Globoesporte.com

Em evento realizado na noite desta terça-feira, o São Paulo anunciou que já tem um acordo para construir a cobertura do estádio do Morumbi. A obra, que terá início em janeiro de 2012, terá a duração de 18 meses e custará entre R$ 100 milhões e R$ 120 milhões. Para que as obras tenham início, falta ainda a autorização da Prefeitura.

Segundo José Francisco Manssur, assessor direto do presidente Juvenal Juvêncio, 12 empresas procuraram o São Paulo e apresentaram propostas para construir a cobertura. A vencedora foi decidida nesta terça e seu nome ainda não foi anunciado porque ela não foi comunicada que é a vencedora.

– No final de novembro, faremos um evento no Morumbi, quando será oficialmente anunciado o acordo. Caberá ao presidente Juvenal Juvêncio revelar isso – afirmou Manssur.

A empresa vencedora da concorrência irá estampar o nome de sua marca na arena multiuso que será construída atrás de um dos gols do Cícero Pompeu de Toledo e terá capacidade para 25 mil torcedores.

– Na verdade, foi um consórcio que ganhou a disputa. Uma empresa será a responsável pela construção da cobertura, uma vai operar a arena multiuso, uma vai dar o naming rights da arena e uma quarta poderá ficar responsável pela construção do hotel, o que ainda não está definido – disse Manssur.


Este é o projeto da arena multiuso que será erguida atrás de um dos gols do Morumbi. Ideia é ter espaço para shows para até 25 mil pessoas (Foto: Marcelo Prado/Globoesporte.com)

Vale lembrar que somente no processo final da obra, quando a cobertura for içada, é que o estádio do Morumbi terá de ser interditado. Até lá, a reforma será feita aos poucos, como tem ocorrido no Beira-Rio, casa do Internacional.

– Pelo nosso cronograma, essa etapa da cobertura será feita nas férias do futebol. É claro que pode haver um atraso, mas vamos fazer o máximo para que isso não aconteça. Falta apenas a Prefeitura dar as autorizações para iniciarmos as obras – concluiu o dirigente.